Artistas gaúchos doam obras e garantem alimentos e Natal a famílias carentes da Vila Jardim

  • Cultura
  • 10/12/2020 - 17:46
  • 860 Views

Durante todo o segundo semestre do ano, sensibilizados com as dificuldades adicionais provocadas pela pandemia do novo coronavírus, artistas visuais de Porto Alegre doaram trabalhos de sua autoria para reverter em alimentos à comunidade carente da Vila Jardim (zona leste da capital). A líder comunitária Marcia Curcio encarregou-se de realizar sorteios das obras de arte, cuja arrecadação destinou-se à compra de cestas básicas para 450 famílias do local, além de, para o Natal, presentes para 850 crianças.

A cada sorteio realizado entre julho e dezembro, a rotina da vila, perto do Beco Pio XII, onde se situa a casa de Marcia, transformou-se com a chegada do caminhão carregado de cestas básicas. Organizados em fila na rua, respeitando o distanciamento físico e usando máscaras, os moradores, principalmente mães e filhos, receberam os mantimentos em um clima de alegria e confraternização.

Nos sorteios, transmitidos pela internet, em meio à distribuição das sacolas com produtos alimentícios – foram 1.552, no total -, Marcia quase sempre requisitou a ajuda de uma criança para remexer os papeizinhos com os números, atribuindo aos pequenos uma posição de responsabilidade e importância. Uma mão pequenina, sentindo-se incluída no contexto da ação social, mergulhava no saco plástico e trazia à tona a numeração do ganhador.

Com voz de líder, o nome do felizardo era anunciado por Marcia. Abertos ao público em geral, os sorteios atraíram em especial a atenção de apreciadores das artes plásticas e pessoas conectadas com as redes sociais dos artistas.

Nomes reconhecidos

A relação de artistas envolvidos na ação social tem nomes reconhecidos nas artes plásticas gaúchas: Clara Pechansky, Britto Velho, Beatriz Balen Susin, Erico Santos, Roseli Jahn, Velcy Soutier, Ana Lovatto, Arlete Santarosa, Kika Herrmann, Rosali Plentz, Graça Craidy, Angela Zaffari, Nara Fogaça, Celma Paese, Gilmar Fraga e Geraldo Markes. Esse último grafitou o muro do Beco Pio XII, incluindo o da casa de Marcia, com desenhos coloridos e o nome Vila Jardim. A obra já virou point dos moradores para selfies.

A ação social teve início numa conversa entre Roseli Jahn, a primeira artista a doar obra, e a líder comunitária, que é secretária em um consultório médico. Posteriormente, Roseli contatou a colega Graça Craidy, que aderiu à causa e não só doou um quadro de sua autoria como se incumbiu de convidar outros nove artistas a participar, e passou a ajudar Marcia a divulgar as rifas para atrair compradores, muitos deles cativos da promoção.

“A arte veio para matar a fome”

“A pandemia deixou várias comunidades carentes em estado de vulnerabilidade, pois muitos perderam seus empregos, bicos, faxinas. A fome chegou rapidamente, recebíamos muitos pedidos de alimentos. As doações foram diminuindo pelo fato de que muitos que nos ajudavam também tiveram que conter gastos. Nessa hora de preocupação apareceram os artistas, que se transformaram na nossa maior fonte de arrecadação. A arte veio para matar a fome da nossa comunidade”, relata a líder comunitária.

A moradora Ketlen de Oliveira Marques, 24 anos, mãe de três filhos, manifesta gratidão por ter recebido as cestas básicas, “quando os armários estavam vazios”. Ela conta que perdeu o emprego em meio à pandemia e o marido, Welinton, adoeceu. Andrea da Silva Oliveira, outra moradora, também diz que os alimentos recebidos foram muito importante para a subsistência de sua família. Conforme as duas, as crianças estão ansiosas esperando os presentes do Papai Noel.

A alegria não se restringe apenas aos moradores beneficiados com alimentos, mas se estende aos felizardos ganhadores das obras de arte, como, por exemplo, o arquiteto e urbanista Newton Burmeister, que, comprando mais de um número em diferentes sorteios, levou para casa uma xilogravura de Arlete Santarosa e uma pintura de Celma Paese, e a professora de pintura Sury Peralles, contemplada com uma serigrafia de Erico Santos.

Grande Rifa de Natal

No dia 19 de dezembro, para fechar as rifas do ano, serão sorteados quatro trabalhos, de Clara Pechansky, Ana Lovatto, Angela Zaffari e Nara Fogaça. Cada número, a R$ 20,00, pode concorrer até quatro vezes. Para participar, o depósito no valor do total de números adquiridos deve ser feito usando o pix com o CPF 388975980 72, em nome de Marcia Regina Garcia Curcio. Dados bancários: Banrisul (041), agência 0027, conta corrente 3901469105. Comprovante do pagamento e escolha dos números pelo whatsapp 9109 6918, com Cintia Almeida.

Outras ações em favor das famílias carentes da comunidade, como doações de brinquedos, são recebidas pela União Vila Jardim, movimento liderado por Marcia Curcio.

Autores embalam ajuda com gratificação

Beatriz Balen Susin: “A arte é um olhar sensível sobre a vida e acredito no gesto de doar uma obra como parte desta mesma vida.”

Erico Santos: “Ajudar com meu trabalho a suprir as carências de tanta gente é sentir a verdadeira valorização da própria arte.”

Clara Pechansky: “Como artista, eu me gratifico ao saber que minha obra pode transformar vidas. Mesmo que seja através de um pequeno gesto meu, uma ação solidária de empatia que custa pouco para quem compra uma rifa pode gerar importantes mudanças em quem tem muito pouco.”

Roseli Jahn: “Me enche de alegria realizar que o meu desenho se converteu em muitas cestas básicas. Entendi a dimensão dessa linda troca.”

Kika Herrmann: “A arte e o amor moram no outro. É uma honra poder participar e ajudar um pouquinho.”

Rosali Plentz: “Com a arte sensibilizamos o outro a olhar. Ajudar este lindo projeto despertou nosso olhar e empatia para esta comunidade.”

Geraldo Markes: “Quando as crianças passam pelo beco e contemplam as intervenções e revelam aquele brilho no olhar, não tem preço.”

Graça Craidy: “A arte é tão grande, tão maravilhosa, que pode alimentar, além da alma, o corpo.”

Arlete Santarosa: “A essência do homem se revela com a arte. O fato de doar uma obra que servirá para alimentar pessoas é infinitamente compensador.”

Britto Velho: “Abstraindo a função social que a arte pode ter, uma forma objetiva é o artista doar para a vila algo de si. Contem comigo no ano que vem.”

Ana Lovatto: “Aquarelar, desenhar, pintar, não vivo sem. Minha alegria é também poder proporcionar aos alunos, através da arte, a descoberta pessoal de expressão e realização de vida. É uma honra, através da minha arte, doar felicidade à belíssima causa da vila.”

Gilmar Fraga: “Foi um prazer participar dessa corrente junto a tantos artistas amigos que admiro, e ainda propiciar um Natal melhor para os pequenos da Vila Jardim. Que beleza ver e ser agente na prática do binômio arte e solidariedade.”

Celma Paese: “A arte une e alimenta o amor coletivo.”

Velcy Soutier: "Contribuir para alimentar o corpo e o espírito das pessoas gratificou o meu trabalho."

Nara Fogaça: “Feliz por estar junto nesse projeto que pode transformar vidas, levando alegria e autoestima a crianças excluídas.”.

Angela Zaffari: “Essa é uma bela iniciativa, pode contar comigo.”


Divulgação:Carlos Souza
Arte painel com artistas e obras: Graça Craidy/Divulgação
Fotos: Marcia Curcio/Divulgação