728 x 90

Dia do idoso - Exposição retrata o abandono na velhice

  • Cultura
  • 27/09/2018 - 12:01
  • 651 Views

Pinturas da artista plástica Graça Craidy integram evento da Justiça sobre direitos dos idosos.

A exposição Velho: Profissão Solidão, da artista plástica Graça Craidy, será aberta nesta segunda-feira (1º/10), Dia do Idoso, às 13h30, no hall do 6º andar do Palácio da Justiça (Praça da Matriz, nº 55). Paralelamente, no local - Auditório Desembargador Osvaldo Stefanello - estará acontecendo a Audiência Pública Garantias dos Direitos da Pessoa Idosa: Estratégias, Políticas e Práticas, promovida pela Corregedoria-Geral da Justiça.

Pintadas com tinta acrílica, as 10 telas da mostra, no formato 60X40 cm, foram criadas pela artista com o intuito de promover o debate sobre as grandes questões da terceira idade, entre elas a solidão a que boa parte dos idosos é submetida, principalmente pelo abandono dos familiares.

A Organização Mundial da Saúde classifica a solidão como fator de risco para a saúde maior que o tabagismo, principalmente na velhice, quando a solidão é considerada o "assassino invisível" do idoso, pois conduz a um risco aumentado de depressão e pode tornar o quadro ainda mais agudo, provocando o suicídio.

As estatísticas apontam ainda para outro dado importante, indicando que a faixa etária da terceira idade é a que mais cresce no Brasil e em 2050 será maior que a dos jovens.

Como preparar-se para isso numa sociedade que hoje trata seus velhos como “párias desqualificados”, na expressão de Simone de Beauvoir, em seu livro “A Velhice”?

No livro, a escritora francesa alerta que a sociedade trata seus velhos como refugos e que os lazeres não oferecem possibilidades novas ao aposentado: na hora em que se vê liberado, roubam-se ao indivíduo os meios de utilizar sua liberdade, condenam-no a vegetar na solidão e no tédio, como um legítimo descarte.

O fato de ser um homem reduzido à condição de ‘sobra’, de ‘resto’, durante os últimos quinze ou vinte anos de sua existência, comprova - segundo Beauvoir - a falência de nossa civilização: semelhante evidência nos seria mais proveitosa se considerássemos os velhos como seres humanos, tendo às suas costas uma existência humana, e não como cadáveres ambulantes”, ela conclui.

A artista Graça Craidy - conhecida por sua arte ativista de denúncia da violência contra a mulher - afirma que nesta coleção “Velho: profissão solidão” buscou sensibilizar a sociedade para a dramática relação entre a solidão e a doença, na velhice. “Como constatou Simone de Beauvoir, a velhice surge aos olhos da sociedade como uma espécie de segredo vergonhoso do qual é indecente falar, mas” - Graça insiste - ”é preciso quebrar essa conspiração do silêncio”.

SERVIÇO:
O QUÊ: Exposição Velho: Profissão Solidão, de Graça Craidy
ONDE: Hall do auditório Osvaldo Stefanello, 6º andar do Palácio da Justiça (Praça Marechal Deodoro, nº 55).
QUANDO: Abertura: 1º de outubro de 2018, das 13h30 às 17h. Visitação: até 31 de outubro, no Hall do térreo, do Palácio da Justiça.

Divulgação: Graça Craidy
Fotos: Wanderlei Oliveira e divulgação