A arte de Sanagê em Porto Alegre

  • Cultura
  • 20/02/2024 - 12:42
  • 148 Views

Artista traz a aplaudida exposição “Pele e Osso” e o livro “96 Dias no Labirinto” para o Espaço Cultural Correios. Mostra tem vernissage no sábado, 24 de fevereiro, 14h.

O artista plástico Sanagê desembarca em Porto Alegre com um convite ao público para uma imersão estética e sensorial à questão racial. A exposição “Sanagê Pele e Osso” inaugura no dia 24 de fevereiro, às 14h, e fica no Espaço Cultural Correios até o dia 30 de março. Entrada franca.

A mostra já passou por Salvador, Brasília, Blumenau, Rio de Janeiro, Recife e Niterói, mobilizando a visitação e a reflexão de mais de 30 mil pessoas.

Como resultado de mais de quatro anos de pesquisas de materiais e de texturas, Sanagê apresenta obras em uma linguagem direta, pois cada uma das telas e o objeto escultórico se referem a alguns dos países africanos de onde saíram homens, mulheres e crianças capturados e vendidos como escravos em fazendas e minas no Brasil.

Em suas criações, o artista pesquisou a espuma expandida, material muito utilizado na construção civil para assentar portais e batentes. Usado de forma bruta, cria volumes e texturas.

Sanagê destaca que a mostra é uma busca, de forma tímida, porém consistente, para despertar alguns fatos e momentos, trazendo luz a algumas questões que possam motivar a releitura de aspectos históricos importantes sobre o racismo no nosso país e no mundo. “Foi a partir da experimentação à textura e cor de peles, ossos, fissuras e ligamentos. O material se mostrou muito interessante para pensar estruturas invisíveis de um ponto de vista externo. Os mapas são regiões de circunscrições de uma experiência”, explica.

O artista alcança a conjunção favorável de um trabalho com pé na pintura e um desdobramento imediato em relevo e escultura. Na composição das obras, as estruturas de espuma são rasgadas, serradas, quebradas e coladas entre elas e sobre a tela.

Telas escultóricas, objeto escultórico e a própria sala são pintados de branco. Ao optar pela cor que contém e reflete todas as cores, a ideia é levar o visitante para uma experiência de espaço infinito. O branco é a presença diáfana que simboliza uma ausência de limites. Porém, além de uma escolha estética, a cor também é política. Assim como as telas que contêm relevos e texturas que não representam os relevos ou acidentes geográficos dos países africanos, a cor também não ser refere a uma realidade. É uma provocação para a reflexão sobre passado, presente e futuro.

96 Dias no Labirinto

Sanagê também traz a Porto Alegre o livro “96 Dias no Labirinto”. Resultado dos dias de confinamento durante a pandemia da Covid-19, a obra apresenta 96 desenhos que nos levam a refletir sobre um momento único na vida de cada um de nós.

Inquieto, para aplacar a ansiedade, durante a pandemia, resolveu assumir algumas tarefas de casa, principalmente a de cozinhar. Ainda se sentia ocioso quando teve a ideia de aproveitar a quarentena para criar, buscou uma saída no crochê, mas não se adaptou e, ao invés de desenhar com fios, trocou as agulhas pela caneta permanente de escrita fina, com a qual traçou seu labirinto. Nascia então o livro “96 Dias No Labirinto”, a busca de uma saída no final do túnel.

Sanagê foi traçando linhas em uma espiral imaginária seguido de uma frase, na busca de dar algum sentindo para os dias. “O livro “96 Dias No Labirinto” é um relato pictórico de um momento imprevisto, no qual, durante o confinamento compulsório, dediquei-me a tarefas lúdicas, com o propósito de ocupação do tempo, e valorização do ócio”, afirma.

Sobre Sanagê

Nasceu no Rio de Janeiro. Chega a Brasília em 1972, com a mesma história de todos, em busca de qualidade de vida e oportunidades. Experimenta várias atividades, mas o pendor para as artes materializa-se na fotografia.

Quando abandona a fotografia, resolve transformar as imagens abstratas e trazê-las para o plano tridimensional, fazendo da escultura seu ponto de partida.

Para melhor desenvolver sua arte, busca formação acadêmica na Faculdade de Artes Dulcina de Moraes. Tendo participado de diversas exposições individuais e coletivas, hoje contabiliza obras que fazem parte do acervo de diversos museus de arte contemporânea.

Desde então, tem uma produção independente, orientada pela linguagem neoconcretista.

Serviço:
Exposição “Sanagê Pele e Osso” e livro “96 Dias no Labirinto”
Artista: Sanagê Cardoso
Vernissage: 24 de fevereiro (sábado), das 14h às 17h
Visitação: 24 de fevereiro a 31 de março – terça a sábado das 10h às 17h
Local: Espaço Cultural Correios
Endereço: Av. Sete de Setembro, 1020, Centro Histórico, Porto Alegre (acesso pela Rua Sepúlveda)

div: Tatiana Csordas
foto: divulgação