728 x 90

ARD fecha parceria com terapeuta que usa técnica inédita para devolver sensibilidade às mamas das mulheres

  • Saúde
  • 08/11/2018 - 19:05
  • 394 Views

A ARD Foundation, fundação que arrecada recursos e os destina às pesquisas de novas terapias de combate ao câncer, fechou uma parceria com o terapeuta neuromuscular alemão Horst Ulrich Gutbrod, conhecido em São Paulo por desenvolver uma técnica pioneira para devolver a sensibilidade nos seios às mulheres acometidas pelo câncer de mama. Uli, como o terapeuta é chamado, doou 100 sessões de seu tratamento para a ARD. Serão agraciadas com o benefício as primeiras 20 mulheres que entrarem no site da Fundação (www.ardfound.org), comentarem o post sobre a parceria (que estará fixado no topo da página) e seguirem o perfil de Horts Ulrich Gutbrod (@uligutbrod) no Instagram. A promoção vale por todo o mês de novembro, a partir do dia 1º.

“Fico muito feliz com esta parceria com a ARD Foundation. Primeiro por estarmos baseado nos mesmos valores; segundo, por termos a intenção de melhorar a vida de outras pessoas que sofrem de câncer. E o mais importante, sempre com empatia, ética e determinação. Junto com a ARD podemos alcançar mais pessoas, seja no Brasil ou nos Estados Unidos”, conta Uli, que possui formação em massagem e terapia neuromuscular em instituições da Alemanha, Suíça, Rússia e Estados Unidos.

Ele conta que começou o trabalho de recuperar a sensibilidade da mama das mulheres há dois anos, quando uma paciente chegou ao seu consultório para um tratamento e se queixou desse problema. Foi a partir daí que Uli criou e aprimorou uma técnica que utiliza dois pinos pequenos, em forma de canetas, com pontas de ouro, para reativar a função dos receptores de tato, de calor e sensibilidade. Em sua clínica no bairro de Vila Nova Conceição, em São Paulo, ele atende, mensalmente, cerca de dez pacientes com esse tipo de problema.

Uli recomenda, no mínimo, seis sessões para devolver a sensibilidade das mamas, mas o tratamento pode exigir até dez. Entretanto, ele garante que alguma sensibilidade já é percebida no primeiro atendimento.

“Pelo que sei, não existe nenhum tratamento até hoje para recuperar a sensibilidade quando a pessoa teve câncer de mama”, explica o terapeuta.

Com o objetivo de fazer com que a mulher recupere novamente a sensibilidade dessa área e não mais veja a mama como algo mutilado, Uli também trata as cicatrizes das cirurgias, reconectando às células como nervos, vasos sanguíneos, fibras musculares e melhorando seu aspecto geral.

O câncer de mama, segundo tipo a doença que mais acomete mulheres, atrás do câncer de pele não melanoma, atinge quase 58 mil mulheres por ano apenas no Brasil, segundo estimativas do Instituto Nacional do Câncer (INCA). Em muitos dos casos, as pacientes são submetidas à mastectomia, que é a retirada cirúrgica de toda a mama, causando traumas, perda de senso de feminilidade e, principalmente, sensibilidade das mamas.

Divulgação: Recrie Comunicação
Fotos: Divulgação